© 2023 por ABC Programas Extra-Curriculares. Orgulhosamente criado com Wix.com

Contate-nos: WHTASAP 94-98129 2009/ 94-981663760   /  manbol777@gmail.com / Rua Santarém  Nº 821 Bairro Maranhão Parauapebas/PA 68515000

CURSO de Capacitação Manbol

MODULOII Treinos

90 Minutos(1.30hs)

Professor da Modalidade

Rui Hildebrando

Criador do Esporte

APLICAÇÃO NO MANBOL

 

Cap.4 – Jogos e atividades para iniciação e desenvolvimento do esporte

 

Consonantes com a teoria acima e através de nossa observação na prática, iremos classificar os indivíduos em diferentes níveis. Esses níveis representam “saltos qualitativos” dentro do próprio desenvolvimento individual com relação ao domínio do esporte.

 

As constatações deste constructo que apresentamos abaixo é fruto de longa observação e análise dos professores de Manbol, tanto no Rio de Janeiro quanto no Pará. Os professores se reúnem periodicamente para realizarem o intercâmbio de experiências didático-metodológicas.

 

Vale lembrar que, devido à particularidade de cada praticante, essa nivelação não é destinada ao praticante em si, mas, sim a habilidade dele que, de acordo com a teoria explicitada assim, pode encontrar-se em diferentes variações.

 

Apresentaremos a seguir, os diferentes níveis de classificação a serem utilizados nas respectivas atividades. Esta classificação se apresenta numericamente em ordem decrescente, partindo do menos habilidoso (nível IV), para o mais habilidoso (nível I).

 

NÍVEL IV: Aqueles que apresentam grande dificuldade na execução dos fundamentos mais básicos do manbol e conhecimento das regras, tendo os exemplos mais expressivos elencados abaixo:

 

  • Domínio - Dificuldade na recepção com ambas às mãos. É esperado um percentual acima de 50% de erros. Considera-se aqui, como erro, a queda da bola ao chão.

 

  • Arremesso – Execução errônea desta habilidade, usualmente sendo por faltas (arremesso executado de forma ilegal perante a regra) ou descontrole na aplicação da força. Esperam-se erros acima de 50% no geral.

 

  • Regras – Grandes dificuldades no conhecimento e interpretação das regras necessárias ao jogo, demandando constante atenção e auxílio. Muitas vezes esse fator ocorre pelo pouco tempo de prática, usualmente sendo vencido rapidamente.

 

  • Movimentação em Quadra – Pouca noção espacial durante o jogo. Este fator normalmente é conjugado com a falta de costume com o tamanho da quadra.

 

  • Pensamento Tático – Praticamente inexistente. O praticante apenas se preocupa em dar continuidade ao jogo, concentrando-se principalmente na bola. Quase não há pensamentos projetivos dentro do jogo.

 

NÍVEL III: São os praticantes medianos que já conseguem realizar as atividades básicas do jogo, em geral, fazendo uma boa partida em duplas e uma partida individual com algumas dificuldades básicas. 

 

  • Domínio – Realização do domínio com ambas às mãos de forma satisfatória. O praticante já realiza o domínio com uma das mãos – principalmente com a mão dominante - nas jogadas mais fáceis.

 

  • Arremesso – O índice de faltas é drasticamente reduzido. A força no arremesso já é controlada, gerando um aumento na precisão. Ele começa a experimentar variações de arremesso.

 

  • Regras – As regras básicas estão dominadas. As dificuldades, em geral, estão centradas no jogo individual, especialmente na questão da neutralidade da bola.

 

  • Movimentação em Quadra – Já existe um conforto relativo dentro da quadra. Os espaços vazios na própria quadra e na quadra adversária são percebidos com mais facilidade. A dificuldade neste nível é a manutenção do domínio da quadra em disputas mais intensas.

 

  • Pensamento Tático – Começa a identificar e criar situações que lhe propiciem vantagem durante a partida. Isto faz com que se origine um padrão tático rudimentar.

 

NÍVEL II: São os praticantes avançados que já possuem um domínio completo das habilidades básicas e bom domínio das variações, criações e adaptações técnico-táticas em função de cada momento particular do jogo. 

 

  • Domínio – Realização do domínio com uma das mãos, inclusive com a mão não dominante. A forma de domínio já deixa de ser uma preocupação técnica, passando a ser uma preocupação tática, influenciando na velocidade do jogo, bem como nas jogadas subseqüentes.

 

  • Arremesso – Não são cometidas mais faltas. A precisão é ótima, conseguindo o praticante arremessar a bola em qualquer ponto da quadra que ele deseje (com baixíssimo índice de erros), se valendo de variadas técnicas.

 

  • Regras – Todas as regras básicas são dominadas.

 

  • Movimentação em Quadra – Ampla movimentação dentro da quadra, reduzindo bastante os espaços vazios, mesmo em situações de intensa troca de bola.

 

  • Pensamento Tático – Identifica e cria situações que lhe propiciem vantagem durante a partida. Isto faz com que se origine um padrão tático particular. Nos jogos em dupla já existe, naturalmente, uma interação entre os membros da dupla, propiciando vantagens durante o jogo.

 

 

NÍVEL I: São os praticantes que possuem o mais elevado nível técnico e tático dentro do manbol, dominado todas as ações do jogo. São capazes de criar novas jogadas e adaptarem-se a diferentes tipos de adversário.

 

  • Domínio – A velocidade e precisão do domínio é marcadamente mais rápida que a do nível abaixo. O domínio passa a ser meramente um meio de acelerar o processo em relação à vitória do ponto. Não ocorrem mais erros de domínio que propiciem pontos para o adversário.

 

  • Arremesso –A precisão é excepcional, conseguindo o praticante arremessar a bola em qualquer ponto da quadra que ele deseje (com baixíssimo índice de erros), com ambas as mãos e com qualquer técnica de arremesso.

 

  • Regras – Conhecimento suficiente para arbitrar uma partida.

 

  • Movimentação em Quadra – Eles atingem um nível de entrosamento onde não existem mais posições fixas na quadra tampouco espaços vazios.

 

  • Pensamento Tático – Identificação técnica e tática do adversário, adaptando-se sempre que necessário. A acurácia de observação é bastante elevada, permitindo a criação de modelos táticos para cada situação particular.

Com base na classificação apresentada anteriormente, propomos algumas atividades com suas respectivas indicações.

 

Atividade I

 

Faixas indicadas: 3 e 4

 

Material: Bolas de manbol, arcos.

 

Descrição: As crianças formarão colunas, preferencialmente de número igual de integrantes, de frente para cada uma das colunas serão posicionados arcos à pequena distância, o primeiro aluno de cada fila irá arremessar a bola de manbol com o gesto do pêndulo visando atingir o centro do arco, depois de feito o arremesso ele deverá buscar a bola e entregar na mão do próximo da coluna e dirigir-se ao fim da mesma. A execução dos arremessos alternando as mãos é fundamental. Podemos incluir algumas variáveis como aumentar a distância ou o número de arcos, pode-se ainda estipular pontuações a fim de que a atividade se torne uma disputa de equipes.

 

Objetivos: Estimular e desenvolver a arremesso correto para a prática do manbol e trabalhar a noção de força e distância de forma lúdica.

 

 

 

 

 

Atividade II - Queimado

 

Faixas indicadas: 2 e 3

 

Material: Bolas de manbol e rede (opcional)

 

Descrição: Nessa variação do queimado, as crianças deverão arremessar a bola utilizando a técnica do manbol visando algum jogador da outra equipe, caso este não consiga dominar a bola ele estará queimado. Caso o jogador que tenha arremessado, não execute um arremesso possível de ser dominado, que não esteja dentro das regras do manbol ou que saia da área de jogo, ele estará queimado. Para voltar do queimado o jogador deverá arremessar a bola para algum jogador de sua equipe, e este deverá dominá-la. Pode-se variar de acordo com a faixa etária das crianças adicionando-se uma outra bola à partida. É aconselhável o uso de uma rede ou corda suspensa para facilitar a execução do movimento pendular.

 

Objetivos: Trabalhar fundamentos do manbol dentro de uma atividade lúdica e conhecida pelas crianças.

 

 

Atividade III - Chuva de bolas

 

Faixas indicadas: 3 e 4

 

Material: Bolas de manbol

 

Descrição: A turma é dividida em duas equipes e cada uma irá ocupar um lado da quadra. As equipes irão receber várias bolas (o somatório das bolas deve ser ímpar) e ao sinal deverão lançar todas para o outro lado utilizando as técnicas do manbol. Caso o jogador jogue uma bola para fora da quadra ele deverá ir buscá-la. Depois de determinado tempo (variável), um novo sinal é dado e então serão contadas as bolas de cada lado, o time com mais bolas perde a disputa. O uso de uma corda ou rede é válido para corrigir arremessos efetuados com pouca altura.

 

Objetivos: Trabalhar fundamentos do manbol dentro de uma atividade lúdica e transmitir valores como honestidade e responsabilidade.

 

Observações: A atividade não será interrompida mesmo que um aluno insista em desrespeitar as normas estabelecidas para o jogo como não buscar a bola ou arremessar de maneira imprópria, porque mesmo com o aspecto competitivo envolvido o que prevalece é a conscientização do movimento correto.

 

 

Atividade IV - Jogo dos dez passes

 

Faixas indicadas: 2 e 3

 

Material: Bola de manbol

 

Descrição: O jogo é disputado entre duas equipes com até doze jogadores cada. O objetivo é trocar dez passes entre os jogadores, seguindo as regras do manbol sem que a bola seja interceptada pelo adversário. Ao fim dos dez passes a equipe irá receber um ponto. Os adversários não podem tomar a bola das mãos dos jogadores. Caso a bola seja arremessada de forma errada a contagem irá continuar sem que esse seja contado. O jogador não pode devolver a bola para o mesmo jogador nem realizar arremessos muito curtos. O jogo apresenta três variantes para a situação de a bola cair no chão durante os passes: manutenção da contagem, zerar a contagem ou perda da posse de bola.

 

Objetivos: Trabalhar o arremesso do manbol dentro de uma atividade lúdica.

 

 

Atividade V - Desafio das colunas

 

Faixas indicadas: 2, 3 e 4

 

Material: Bolas de manbol

 

Descrição: Formam-se duas (ou mais) colunas com o mesmo número de alunos. Estes estarão separados a uma distancia mínima de um metro. O primeiro de cada coluna deverá arremessar a bola (usando as técnicas de manbol) para o seguinte e assim consecutivamente até que a bola chegue ao último. Caso o arremesso seja mal executado aquele que o realizou deverá obrigatoriamente pegar a bola e repetir o arremesso. Durante o percurso podem ser propostas diversas variações com o objetivo de tornar a passagem da bola mais complexa. Ex: Lançar apenas com a mão esquerda, ou intercalando jogadores.

 

Objetivos: Adquirir maior domínio da bola, aumentar a agilidade dos movimentos (em vista que o tempo limite de posse de bola durante a partida é de apenas dois segundos).

 

Observações: Quando realizada na faixa etária um, a ênfase da atividade está em diminuir o número de quedas durante o exercício.

 

 

Atividade VI- Deslocamento e devolução

 

Faixas indicadas: 1 e 2

 

Material: Bolas de manbol

 

Descrição: O aluno ira se posicionar de um lado da quadra e de frente para a rede. O professor ficara do outro lado com algumas bolas (no mínimo 6). O professor ira arremessar as bolas alternando entre 2 ou mais pontos pré-determinados. O aluno devera se deslocar para interceptar e devolver todas as bolas antes que toquem no solo. As variações e níveis de dificuldade podem ser estabelecidas através dos seguintes pontos: 1 – Quantidade de pontos para deslocamento – quanto menor o numero de pontos mais fácil será para o aluno realizar o exercício. Em trabalhos com apenas dois pontos, pode-se aumentar a velocidade das bolas lançadas pelo professor, resultando assim num trabalho de maior intensidade. 2 - Quantidade de bolas – Quanto maior o numero de bolas utilizadas no exercício, maior será a dificuldade.  3 – Local para devolução – Pode-se estabelecer que a devolução das bolas realizada pelo aluno tenha como objetivo acertar um alvo (um arco ou uma zona da quadra), nesse caso podemos também criar mais de um alvo e estabelecer pontuações por acertos e penalidades quando necessário.  4 – Variações de arremesso – Esse exercício pode ser utilizado também como treinamento para determinada técnica de arremesso, sendo necessária a execução pelo aluno em todas as devoluções.  5 – Bolas de outras modalidades – Podemos aumentar o grau de dificuldade do exercício colocando bolas de outras modalidades para sua execução (tênis, tênis de mesa, etc).

 

Objetivos: Trabalhar o preparo físico, a tomada de decisões, a qualidade da recepção e do arremesso.

 

Observações: Essa atividade recria muito bem um rally intenso e disputado, sendo assim uma atividade de treinamento altamente especifica para o manbol.

 

 

 

Atividade: Inferioridade numérica

 

Faixas indicadas:

 

Material:

 

Descrição: Realizamos uma partida de manbol com as regras de duplas, onde um jogador ira enfrentar uma dupla. Após a obtenção de um determinado numero de pontos pelo jogador que esta sozinho, realizamos um rodízio entre eles.

 

Objetivos: Aumentar a velocidade e as habilidades do jogador.

 

Observações:

 

 

 

 

Atividade: Trocas de posicionamento

 

Faixas indicadas:

Material:

 

Descrição: Iniciamos uma partida simulada (onde não são marcados pontos) onde uma das duplas ira treinar as trocas de posicionamento e cobertura. Em determinado momento, um dos jogadores devera sair da quadra (por onde ele ira sair sera previamente estipulado), ao sair, sua dupla ira se posicionar no centro da quadra, tentando cobrir o maior espaco possivel, em seguida, o jogador ira retornar a quadra cobrindo o espaço mais proximo a linha lateral, e o outro jogador devera assumir a outra linha.

 

Objetivos:

 

Observações:

 

 

Atividade: Alerta cor.

 

Faixas indicadas:

Material: Bolas de manbol de cores distintas

 

Descrição: Serão realizados exercícios de recepção e devolução em diferentes pontos da quadra, onde o objetivo e interceptar somente as bolas com a cor selecionada. Para isso, o professor ira pré-determinar uma cor, e durante a atividade, ele ira lançar sempre duas bolas em locais distintos, sendo que no Maximo uma delas e da cor determinada.

 

Objetivos: Criar uma situação de jogo onde a atenção e o raciocínio sejam desenvolvidos.

 

 

Atividade

 

Faixas indicadas

 

Material

 

Descrição: O aluno ira se posicionar de frente para a rede, o professor ira lançar-lhe bolas altas, que deverão ser dominadas acima da cabeça e arremessadas com o movimento pendular.

 

Objetivos: Corrigir possíveis vícios no arremesso dentro de uma situação comum de erro em iniciantes.

 

 

 

 

Atividade: A estrela

 

Faixas indicadas: 2 e 3

 

Material: Bolas de manbol e um arco

 

Descrição: Dispomos os alunos em no mínimo quatro colunas com um metro de distancia entre os integrantes formando um círculo com as colunas. No centro do círculo estará o arco que será o alvo a ser atingido; este estará a no mínimo dois metros do primeiro integrante de cada coluna. Cada um dos alunos na extremidade oposta receberá uma bola. Ao comando eles deverão correr em volta da borda externa até retomar a posição original na coluna, quando então serão executados sucessivos arremessos entre os integrantes até que a bola chegue ao primeiro que deverá então lança-la corretamente para o arco. A primeira equipe que conseguir completar todos os passes irá receber um ponto, caso a bola caia deverá retornar ao corredor. O segundo ponto será concedido a equipe que primeiro acertar o alvo em uma única tentativa. Pode-se variar mudando a quantidade de passes e o jogador que irá arremessar ao alvo. Existe uma variação com o uso da rede que está esquematizada nos anexos.

 

Objetivos: Adquirir maior domínio da bola e melhorar a precisão do arremesso.

 

Observações: Existe ainda o trabalho realizado pela corrida mas esse não constitui o objetivo da atividade.

 

 

Atividade: Arremesso em distância

 

Faixas indicadas: 1 e 2

 

Material: Bolas de manbol

 

Descrição: Os alunos são organizados em colunas. O primeiro de cada uma deverá lançar a bola com a técnica de pêndulo o mais distante possível. O aluno que realizar o arremesso mais distante irá marcar um ponto para sua equipe. Pode-se variar alternando a mão do arremesso.

 

Objetivos: Trabalho de força dentro da técnica do manbol.

 

 

Atividade: Colunas de arremesso

 

Material: Bolas de manbol e arcos

 

Faixas indicadas: 2, 3 e 4

 

Descrição: A turma é dividida em colunas de mesmo número. De frente para cada uma destas estará um aluno ou a metade da própria. Cada equipe receberá uma bola que deverá ser arremessada constantemente até que se atinja um determinado objetivo, enquanto as posições dos alunos se alternam. As trocas de posição poderão ser feitas entre a própria coluna, entre colunas ou entre o jogador e a coluna. Alguns exemplos de objetivos a serem realizados pela equipe são: completar um determinado número de rodízios, efetuar um determinado número de arremessos consecutivos sem derrubar a bola, realizar o máximo de trocas em determinado tempo, etc. No caso do jogador isolado, pode-se utilizar o arco para delimitar a área de deslocamento permitido para a recepção da bola.

 

Objetivos: Trabalhar os fundamentos de forma dinâmica.

 

Observações: Neste exercício, os objetivos do trabalho irão variar de acordo com a faixa a ser trabalhada. Enquanto para os mais jovens, ocorre uma cobrança maior em nível de fundamentos, para os mais avançados a ênfase está em realizar um aquecimento específico do esporte.

 

 

Atividade: Treinamento de precisão horizontal

 

Faixas indicadas: 4

 

Material: Bola de manbol e alvo (arco ou pneu)

 

Descrição: Iniciamos posicionando um alvo suspenso a uma altura de no mínimo 1,65m (altura da rede). Estabelecida uma distancia ente o alvo e o jogador, este irá realizar arremessos de trajetória horizontal em diversas variações de força visando acertar o centro do alvo. A variação consiste em posicionar um receptor do outro lado e este ao dominar a bola irá trocar de papel com o arremessador.

 

Objetivos: Aprimorar a técnica de arremesso horizontal, melhorar a precisão e a recepção nesse tipo de arremesso.

 

Observações: Para existir uma fluidez na atividade em dupla a precisão deverá estar bem apurada.

 

 

Atividade: Círculo do aprendizado

 

Faixas indicadas: 1 e 2

 

Material: Bolas de manbol

 

Descrição: Os alunos estarão dispostos em círculos. Inicialmente eles irão arremessar a bola para o aluno a sua esquerda utilizando a técnica do pêndulo. Após algumas repetições, eles irão passar a realizar arremessos para alunos que estejam no lado oposto do círculo.

 

Objetivos: Familiarizar o aluno com a bola e com seu arremesso.

 

Observações: Pode-se aproveitar para ensinar noções de direções.

 

 

Atividade: Treinamento do saque em três lances

 

Faixas indicadas: 4

 

Material: Bolas de manbol e arcos

 

Descrição: Esse exercício simula os três primeiros arremessos de um rally. Serão posicionados três arcos na quadra adversária: um obrigatoriamente dentro da área 2-L e os outros aleatoriamente de acordo com a finalidade da jogada. O jogador irá sacar a primeira. Após a queda da bola o técnico imediatamente irá arremessar uma bola em um ponto determinado da quadra, exigindo uma ação rápida do jogador que deverá acertar a segunda bola no alvo e impedir que esta outra caia em sua quadra, e em seguida lança-la no terceiro alvo.

 

Objetivos: Aperfeiçoar a primeira ação do jogador no rally e sua reação com a primeira devolução da bola.

 

Observação: Este exercício visa desenvolver uma estratégia de saque que resulte numa possível pontuação rápida.

 

 

Atividade: Bobinho fixo

 

Faixas indicadas: 2, 3 e 4

 

Material: Bolas manbol e arcos

 

Descrição: Os alunos serão dispostos em círculo dentro de aros. Dentro do círculo estará o bobinho, que tentará interceptar os passes. Caso o aluno execute um mal arremesso, o destinatário não poderá deixar o seu arco para salvar a bola, mas este mesmo arremessador poderá busca-la e deverá retornar a seu lugar antes que o bobinho o toque para não ocupar seu lugar. Caso a bola resvale no receptor, este assumirá o bobinho. Os alunos deverão arremessar a bola imediatamente após efetuarem o domínio.

 

Objetivos: Desenvolver a precisão do arremesso, o domínio e trabalhar a noção de tempo de posse de bola durante uma partida.

 

Observações: Para tornar essa atividade mais interessante em grupos mais avançados podemos incluir o uso do lado não dominante.

 

 

Atividade: Circuito avançado para domínio

 

Faixas indicadas: 3 e 4

 

Material: Bolas de manbol

 

Descrição:

1. O aluno na posição de apoio de frente para o solo (flexão de braço), segurando uma bola com uma das mãos, deverá jogar a bola para o alto e segurar a bola com a outra mão antes que ela caia no solo, e assim sucessivamente.

 

2. O aluno joga a bola pro alto, dá uma meia volta e segura a bola antes que ela caia no solo.

 

3. O aluno com a bola nas mãos deverá jogá-la para o alto, realizar uma flexão de braço, levantando em seguida para receber a bola antes que ela caia no solo. 

 

4. O aluno se posiciona em pé com as pernas afastadas e então deve lançar a bola por entre as pernas e sobre as costas tentando pegá-la antes que ela toque o solo. 

 

Objetivos:

 

Observações:

 

Atividade: Desafio dos três cestos

 

Faixas indicadas: 3 e 4

 

Material: Bolas de manbol e três cestos ou baldes grandes

 

Descrição: Numa quadra poli desportiva dispomos os baldes sobre a linha central da seguinte maneira: um no centro e os outros nas laterais. A seguir formamos dois times de cinco a sete integrantes cada. A partir daí inicia-se o jogo, onde cada equipe deverá trocar passes usando as técnicas de arremesso permitidas enquanto o time adversário tentará interceptar a bola sem contato físico. Não é permitido mais de um passo após efetuar o domínio da bola. Para obter um ponto a equipe deverá acertar a bola no cesto central, sem invadir a área delimitada pelo círculo. Este círculo não pode ser invadido pela defesa. Para uma jogada de dois pontos, a bola deverá ser encestada em uma das laterais de um arremesso oriundo obrigatoriamente do círculo central. Nesse arremesso, somente um jogador de ataque pode penetrar no circulo central, devendo sair logo em seguida caso não receba a bola. Se o arremesso for bem sucedido a equipe reinicia uma nova joga com a posse de bola do fundo da quadra sem repetir o pontuador anterior. Em caso de erro no arremesso ou interceptação da bola, o time adversário deverá reiniciar o jogo de uma das laterais. O tempo de partida é variável.

 

Objetivos: Por ser disputado numa quadra maior que a de manbol, este jogo permitia o desenvolvimento do condicionamento físico geral além de desenvolver a precisão do arremesso.

 

Observações: Para aumentar a dificuldade do jogo pode-se introduzir a perda da posse de bola caso haja erro no passe.

 

Atividade: De olho nas bolas

 

Faixas indicadas: 1 e 2

 

Material: Balões de ar e cronômetro

Descrição: Um aluno de cada vez deve jogar dois balões para o alto e tentar mantê-los sem tocar o solo. A atividade deve ser cronometrada, travando-se o cronômetro no exato momento em que uma das bolas tocar o solo. Vence o aluno que ficar mais tempo.

 

Objetivos: Desenvolver a coordenação e a atenção a dois objetos simultaneamente assim como no manbol.

 

Observações: Para a faixa um, não há necessidade do aspecto competitivo, e pode-se introduzir a aprendizagem dos números contando quantas vezes a criança bate a bola.

 

 

Atividade: Bola ao alvo

 

Faixas indicadas: 2

 

Material: Bolas de manbol e giz

 

Descrição: Desenhar um alvo no solo estabelecendo pontuações gradativas. Cada aluno estará de cinco a sete metros e terá direito a realizar três arremessos dentro das técnicas do manbol. Somam-se os pontos e o que obtiver a maior pontuação vence a disputa  Pode-se utilizar uma variação de jogo onde um arremesso fora do alvo elimine o jogador.

 

Objetivos: Desenvolver noções de distancia, força e precisão.

 

 

Atividade:

 

Faixas indicadas: 3 e 4

 

Material: Bolas de manbol

 

Descrição: Em duplas, os alunos estarão posicionados de frente um para o outro a uma distancia determinada e receberão duas bolas cada um. Após um comando, eles deverão lançá-las simultaneamente para o alto e trocar de posições fazendo o domínio das bolas lançadas pela sua dupla antes que elas toquem o solo. De acordo com a idade e habilidade dos alunos, pode-se aumentar a distância.  

 

Objetivos: Desenvolver a técnica do domínio da bola associado a um rápido deslocamento e troca de posição.

 

Observações: Pode-se estabelecer uma forma competitiva eliminando as duplas que cometerem erros na recepção.

 

 

Atividade:

 

Faixas indicadas: 2

 

Material: Bolas de manbol e arcos

Descrição: Os alunos serão dispostos sobre as laterais da quadra, cada um com um arco correspondente. Cada um dos alunos estará de posse de uma bola que ao comando tentará acertar num arco adversário do lado oposto da quadra, utilizando a técnica de arremesso do manbol. Os alunos que tiverem seus arcos acertados serão eliminados, e o jogo prossegue até que reste somente um jogador.

 

Objetivos: Precisão do arremesso.

 

 

Atividade:

 

Faixas indicadas: 1 e 2

 

Material: Bola de manbol e jornal

 

Descrição: Numa quadra poli desportiva serão amarrados uma folha de jornal em cada gol. A seguir formamos dois times de cinco a sete integrantes cada. A partir daí inicia-se o jogo, onde cada equipe deverá trocar passes usando as técnicas de arremesso permitidas enquanto o time adversário tentará interceptar a bola sem contato físico. Não é permitido mais de um passo após efetuar o domínio da bola. Para pontuar a equipe deverá acertar o jornal adversário e rasga-lo usando o arremesso horizontal do manbol sem penetrar a área. Após o arremesso o time adversário irá repor a bola pela linha de fundo. Vence quem rasgar todo o jornal adversário primeiro.

Objetivos: Por ser disputado numa quadra maior que a de manbol, este jogo permitia o desenvolvimento do condicionamento físico geral além de desenvolver a precisão do arremesso horizontal.

 

 

Atividade:

 

Faixas indicadas: 1

 

Material: Bola de manbol

 

Descrição: Um pique onde um pegador deverá acertar as costas de uma das crianças com a bola de manbol para que esta se torne o pegador.

 

Objetivos: Esse exercício tem caráter puramente recreativo utilizando a bola de manbol.

 

Observações: Quaisquer variações da atividade devem ser direcionadas para uma faixa etária mais velha.

 

 

Atividade:

 

Faixas indicadas: 3 e 4

 

Material: Bola de manbol e arcos

 

Descrição: Dividimos a turma em equipes de cinco a oito integrantes. Dispomos aleatoriamente uma quantidade de arcos (dois ou três) superior ao número de integrantes de uma das equipes. Os atacantes trocarão passes, e o atacante que estiver de posse de bola não poderá se deslocar, devendo efetuar um arremesso ou um passe. Eles deverão acertar os arcos vazios para pontuar. Os defensores devem evitar colocando-se dentro dos arcos vazios ou tentando interceptar a bola. Caso o adversário intercepte a bola os papeis de ataque e defesa serão trocados.

 

Objetivos: Desenvolver noções de estratégia e posicionamento.

 

 

Atividade:

 

Faixas indicadas: 1 e 2

 

Material: Bolas de manbol e balde

 

Descrição: Divide-se a turma em colunas. Cada aluno irá receber uma bola e tentará acertar o balde. Caso o aluno acerte o balde ele irá sentar, caso erre ele deverá pegar a bola e tentar novamente. Vence a equipe em que todos os integrantes sentem primeiro.

 

Objetivos: Aprimorar a concentração e a precisão.

 

 

Atividade:

 

Faixas indicadas: 3 e 4

 

Material: Bolas de manbol e lençol

 

Descrição: Será disputada uma partida normal de manbol em duplas (faixa 4) ou mais jogadores (faixa 3), onde a rede será aumentada para 1,90m e será coberta com um lençol que irá encobrir a quadra.

 

Objetivos: Trabalho específico do jogo onde a atenção deve ser redobrada por não haver um referencial visual do adversário nem de sua quadra.

 

Observações: O lençol deverá cobrir pelo menos até a cintura dos adversários, mas tem como situação ideal a total obstrução da visão da quadra adversária.

 

 

Atividade:

Faixas indicadas:

Material:

Descrição:

Objetivos:

Observações:

 

 

 

 

Conclusão

 

O Manbol foi apresentado neste trabalho como uma nova alternativa para os profissionais de educação física, alternativa esta que se mostrou extremamente positiva em diversos aspectos no que tange a formação da criança e à implantação do próprio jogo na escola.

 

Alguns dos principais pontos expostos foram à necessidade de espaço reduzido para sua pratica, material de fácil transporte e baixo custo, ênfase num trabalho focado no desenvolvimento da ambidestria e de outras habilidades.

 

Visando suprir ao menos parcialmente a carência de pesquisa e bibliografia, apresentamos neste trabalho um primeiro ensaio contendo os mais diversos aspectos desta nova modalidade. Criamos ainda diversas atividades interessantes, para que o professor possa atuar de imediato junto a seus alunos.

 

 

 

 

 

 

        

 

 

 

 

 

Anexo 19

 

 

 

Ações do jogo

 

O manbol possui muitos pontos fortes para a prática, seja pela facilidade de se arrumar um espaço adequado ou pela diferente bola utilizada. Para os professores, o maior atrativo para o manbol é sem dúvida a facilidade com a qual as crianças e iniciantes dominam as técnicas básicas.

 

Diferentemente do futebol, onde a habilidade com as pernas é essencial, ou do voleibol onde a execução correta da técnica é fundamental, no manbol os movimentos básicos são muito simples e naturais.